Lisboa

Eu poderia escrever posts e mais posts sobre Lisboa, tamanha a saudade que eu sinto de lá… Mas, vou tentar ser prática. Tenho bons argumentos para que você visite a capital Lusitana:
  1. A cidade é uma graça! A comida é ótima, zero violência, tem parques, teatros, museus, bares, vinho, pastel de Belém, pôr do sol a beira do Tejo, bondes da Carris, vielas do Bairro Alto… 
  2. A história do Brasil começa lá. :) Tentei contar a importância histórica de cada ponto. Você vai notar conversando com os portugueses (jovens, velhinhos, estudante, taxista…) que eles sabem a história do país, nomes das pessoas, ano dos acontecimentos e se orgulham disso.
  3. Uma das formas mais baratas de chegar na Europa é pela TAP (quase sempre com escala em Lisboa) Então, recomendo fortemente a inclusão da Terrinha no início ou no fim da sua Eurotrip. :)
Lisboa é uma cidade pequena (geograficamente falando) e fácil de andar. Tem várias opções de transporte e as “Paragens de Autocarro” (ponto de ônibus, no português BR) têm mapas sinalizando tudo. E para os mais preguiçosos, taxi é uma boa opção porque não é caro (para o padrão Europa – em outras capitais europeias uma corrida pode ser uma fortuna).

Abaixo a lista dos lugares, organizado por proximidade para te ajudar na formulação do roteiro.

Aliás, já fizemos um post com dicas para te ajudar a montar o roteiro, aqui ó: Montando seu roteiro

BELÉM
Parada obrigatória, sem dúvida! Nessa zona você encontra quatro dos sete principais pontos turísticos de Lisboa. Abaixo tem um mapa, com os pontos sinalizados, para você ver como é realmente perto.
Como chegar: Autocarro (727, 28, 729, 714, 751) ou Eléctrico (15).

Veja Lisboa – Belém em um mapa maior.

Torre de Belém
Nas margens do Rio Tejo, patrimônio mundial da UNESCO, construída no começo do século XVI (quase 500 anos!). Serviu uma época como armaria e prisão. Dessa área, vê-se a ponte 25 de Abril, que passa por cima do rio, ligando Lisboa a Almada, toda vermelha, construída em aço. A entrada na Torre é paga (€5 se não me engano).

Torre de Belém (em dias e horários diferentes – fotos tiradas em 2008, 2009 e 2011)

3365682060_b214095740_b
2970973647_b50303786f_o
6361177885_8286ba69b1_o1
6361180509_c449e5a8af_o
O Padrão dos Descobrimentos
Também conhecido como Monumento aos Navegantes, é uma homenagem aos portugueses que saíram explorando o mundo pelos mares em expedições intermináveis, e foi assim que chegaram na África (1415), Índia (1498), Brasil (1500), China (1513) e Japão (1543). No monumento em forma de caravela tem 33 pessoas relevantes da história do país, inclusive Pedro Álvares Cabral e Vasco da Gama, o navegador queridinho dos portugueses, que dá nome a uma das pontes que cruza o Tejo.

2970968005_2f4c3c0c90_oFoto que eu tirei durante um passeio pelo Tejo em 2008. Descobrimento e Torre de Belém ao fundo.


Se tiver tempo, vale a pena entrar, subir, e ver lá do alto o mapa do mundo e a rosa dos ventos feitos no chão em frente ao monumento.


Mosteiro dos Jerónimos
Também é patrimônio da UNESCO. Começou a ser construído em 1502, sofreu uma alteração em 1516, resistiu ao terremoto de 1755, mas foi danificado pelas tropas de Napoleão depois. É um presente para quem gosta de história da arte e arquitetura. O estilo é prioritarimente Manuelino (por causa do rei D Manuel I – nada mais português que isso), mas como a obra teve arquitetos diferentes, tem influência Góticas e Renascentistas (do que foi construído depois de 1516), e anos depois, no reinando de D. João III, houveram obras no estilo Clássico. Lá estão os túmulos de Vasco da Gama, D. Henrique, Fernando Pessoa, entre outros.

Visitar a igreja é de graça, já a entrada no Mosteiro é paga (€5).
2971809524_ffa2ce890f_o2971808458_7373648da2_o6361185761_7177740646_b2971808740_7d846423f7_o6361193133_9653217e52_bMosteiro e Igreja – Por dentro e por fora, em diferentes datas – 2008, 2009 e 2011.
Obs: Os cavalos são da Cavalaria de Lisboa, numa apresentação devido a um feriado local.
A fábrica de pastel de Belém
Não tenho nem palavras para descrever um pastelzinho de Belém “acabadinho de fazer”. Só digo uma coisa: em alta temporada, a fábrica chega a produzir 14 mil pastéis por dia. E olha que qualquer birosca em Lisboa vende pastel de nata. Vai lá e pede um (ou vários) e aí você vai entender porque vendem 14 mil por dia…

6361196645_f4bda95d08_b6361195679_c58f4e0e51_b

CENTRO – BAIXA/CHIADO
Nesta zona, os 5 pontos que eu cito são praças e parques. Recomendo que você vá até o Parque Eduardo VII e siga caminhando até a Praça da Figueira. Você vai passar pelos 5 pontos da lista.
Dá um pouco mais que 2 km. 
Abaixo, o mapa com todos os pontos marcados:
Veja Lisboa – Pombal/Chiado em um mapa maior
Como chegar ao Parque: Autocarro (2, 12, 22, 48, 53, 87, 711, 723, 727, 738, 746) ou Metro (estação Marques do Pombal / Parque – linha azul).
Parque Eduardo VII
Parque aberto no alto de uma colina. Não é um parque natural, é um jardim projetado. Não tem taxa para entrar e é aberto 24h.

6361171951_5ed0106b44_o
Parque Eduardo VII, pela manhã. A estátua é o Marquês de Pombal e o clarão ao fundo é o Tejo.

Marquês de Pombal

Este ponto nada mais é que uma “rotunda” (rotatória, em português BR), com uma estátua do Marquês de Pombal (governava na época do terremoto de 1755). Nesta rotatória, começa a Avenida da Liberdade, onde tem o Teatro Tivoli, cheia de cafés, hotéis e lojas de marcas de luxo (Prada, Louis Voitton, Burberry e etc). Siga caminhando pela avenida, até a Praça dos Restauradores.

Praça dos Restauradores

No meio da praça tem um obelisco em homenagem a libertação de Portugal do domínio da Espanha. Essa história toda, na época, ganhou o nome de Guerra da Restauração (restauração da independência de Portugal), por isso a praça tem esse nome.

Rossio

Mais uma praça! Essa região é chamada de Baixa (diria que é equivalente ao “centro” da cidade). Esta praça tem o chão de pedrinhas portuguesas, com o mesmo desenho do calçadão de Copacabana. (Ou seria o Calçadão de Copacabana que tem o mesmo desenho do chão do Rossio?).

Na direção dos Restauradores, tem o Teatro D. Maria II, na direção oposta (sentido Tejo) tem a Rua Augusta, que é uma rua de pedestre que leva até a Praça do Comércio (na beira do rio). Nos outros dois lados opostos, duas colinas. No topo de uma você vê as ruínas do Castelo de São Jorge, e na outra o Bairro Alto.

3364826833_68a998eae4_o
Vista da janela do albergue (Rossio Hostel) – Foto tirada em 2008. 
A praça do Rossio, a estátua de D Pedro IV e o Castelo de São Jorge iluminado no topo da colina.

No mapa abaixo:
Praça da Figueira > Castelo (Eléctrico 12)
Castelo > Catedral da Sé (caminhando)
Catedral da Sé > Praça do Comércio (Eléctrico 28)
Praça do Comércio, segue pela Augusta
Veja Lisboa – Baixa/Chiado e Castelo em um mapa maior
Castelo de São Jorge
Como chegar: Pegue o eléctrico (12) na Praça da Figueira (que fica ao lado da Praça do Rossio).
O eléctrico (bonde/bondinho, em português BR) vai parar em frente ao Miradouro de Santa Luiza (mirante, em português BR). Do lado oposto ao Miradouro tem a rua que leva ao Castelo.

6361200477_6dcbdc92a6_b
Castelo de São Jorge – Vista para o Rio Tejo – 2008

  • Catedral Sé de Lisboa: Está no caminho do castelo e eu particularmente acho mais bonita por dentro do que por fora, vale uma visita.
  • Miradouro de Santa Luzia: Como a vista é linda, todo mundo pára pra tirar foto. Vale a parada, mas não precisa demorar muito ali, a vista do alto do castelo é mais bonita.
  • Castelo de São Jorge: Com o tempo virou ruína. É mais parecido com uma fortaleza do que castelo (como aqueles super bonitões de Sintra). Tem uma bela vista e é um ícone da cidade.
Ao sair do Castelo, volte para o Miradouro e pegue o Eléctrico 28, que vai até a Praça do Comércio, esse aí da foto:2971817086_721fc5ea47_o

Praça do Comércio (Terreiro do Paço)
É uma das maiores da Europa. Antes do terremoto de 1755 tinha o Palácio Real, com documentos sobre navegações, obras de arte raras, e tudo foi destruído. Anos depois, foram construídos os edifícios que estão lá até hoje. Nesta praça, no dia 25 de Abril (nome da ponte!) em 1974, aconteceu o Golpe de Estado que derrubou a ditadura de Salazar, o primeiro passo pra começar a democracia. 

6361198251_d0c7f63f47_o
Praça do Comércio, 2011 – Ao fundo, o Rio Tejo.
3365646754_5e43366e47_b
Praça do Comércio – Neste arco começa a Rua Augusta, que liga a Praça do Comércio ao Rossio. 

Rua Augusta
Como eu já contei ali em cima, falando do Rossio, a Augusta é uma rua de pedestres que liga as duas praças (Rossio e Comércio. Tem muitas lojas, restaurantes e a entrada parada do Elevador de Santa Justa.

Elevador de Santa Justa
Elevador de Santa Justa – 2011

Elevador de Santa Justa 
Também conhecido como Elevador do Carmo, porque leva até o Convento do Carmo (hoje em dia são ruínas). É uma obra bonita, feito de metal e a vista lá de cima é legal, mas se tiver fila pra subir, não compensa. Normalmente não tem fila :)

Convento do Carmo
A Igreja do Carmo virou ruína depois do terremoto. O Convento já não funciona, hoje é Museu Arqueológico do Carmo. 

A outra entrada dele (sem ser pelo elevador) fica no Largo do Carmo, do lado do Bairro Alto.
A Brasileira (café) e a estátua do Fernando Pessoa
Fica bem no meio do Chiado. Super tradicional, era frequentado pela nata Lisboeta, tem a estátua do Fernando Pessoa em frente… Existe há mais de 100 anos. Vale passar lá, mas para comer eu não recomendo muito. A qualidade é incontestável, mas é caro, super de turista e a graça de lá é que tem o tão querido café do Brasil (que você pode tomar litros e litros quando voltar pra casa).

BAIRRO ALTO
No topo de uma colina, o bairro é um labirinto de ruazinhas cheias de bares e restaurantes. É a onde está concentrada a vida noturna de Lisboa. Tem bares de todos preços, gostos, especialidades… Pessoas bebendo nas ruas, sentadas nas calçadas… :)

Bairro Alto: galera do albergue – miradouro – uma rua as 2h, já vazia – bar mexicano – alguns amigos brasileiros. Fotos de 2008, 2009 e 2011
A graça é ir caminhando de bar em bar, e sem querer você descobre um inferninho que toca jazz, um shot de absinto com sei lá o que, um restaurante de tapas, experimenta sangria, vinho, imperial (chopp, no português BR), encontra um show de rock, até caipirinha em copo de 500ml… Tem de tudo.

Lembrando que, por lei, tudo tem que fechar 2h da manhã – e fecha mesmo, e a ‘malta’ (malta = galera, em português BR) parte para as boates, em outras áreas, mais baixas, próximo do Tejo (Santos, Docas…).
  • Miradouro do Bairro Alto: De lá se vê a praça dos Restauradores e o Castelo de São Jorge, fica bem do lado do Eléctrico que liga o Bairro Alto aos Restauradores.
  • Dica: Pavilhão Chinês! Bar cheio de coisas de colecionador, soldadinhos, aviõesinhos, louças, capacetes… Sensacional :)
  • Fado: Vou ser sincera, eu não gosto muito. Normalmente é uma pessoa só cantando, com um violão clássico, soa meio sofrido. Se você quiser assistir a uma apresentação, vai encontrar no Bairro Alto, Alfama, Chiado… 
No mapa abaixo, eu sinalizei o miradouro, o Pavilhão e alguns outros bares.
Veja Lisboa – Bairro Alto em um mapa maior

PARQUE DAS NAÇÕES

Como chegar: pegue a linha vermelha do metro, até o fim. Essa área é mais afastada de todas as outras, é uma área nova, com avenidas largas, prédios altos, construções modernas… Totalmente diferente do resto de Lisboa. E os pontos que você vai visitar lá (casino e oceanário) também são super novos. O bairro foi construído para um evento internacional, a EXPO98.
Oceanário de Lisboa
É o segundo maior aquário do mundo, é também um instituto de pesquisa sobre vida marinha e oceanografia. O visita não é guiada, então, demorar ou não, depende de cada um. Eu aconselho seprar uma manhã ou tarde pra isso. Ótimo programa para crianças, super educativo. Entrada: 16 (até 12 anos ou maiores de 65 pagam €11 – Grátis para menores de 3 anos).

6361236943_a5a23524f8_o1

6361234649_d3f95e8421_o

6361231179_f719c1eac6_b

Cassino de Lisboa
Como no Brasil é proibido, é uma chance de matar a curiosidade, mesmo pra quem não gosta de jogo (eu!). Lá dentro tem um restaurante e eventualmente rolam uns shows. A entrada é gratuita e é bem perto do oceanário.
  • Ponte Vasco da Gama: É a outra ponte que cruza o Tejo. Tem quase 18km de extensão e liga Lisboa a Montijo e Alcochete.
  • Shopping Vasco da Gama: Um shopping normal, igual a qualquer outra. Mas deixo a dica aqui como uma opção pra almoçar perto do oceanário.
  • Gare do Oriente: De lá saem os comboios pra outras cidades e pra Espanha. É ali nessa área também, perto do shopping e do metro.


E O QUE MAIS?

Lugares em torno de Lisboa, que valem a pena passar o dia.

Cascais
Como chegar: Comboio no Cais do Sodré. Região de praia, 30min de Lisboa. Ótimo lugar pra passar o dia, alugar bike pra dar uma volta.

Estoril

Como chegar: Comboio no Cais do Sodré. Região de praia, fica um pouco antes de Cascais (saindo de Lisboa). Atrai muito turista por causa do casino.

Sintra
Como chegar: Comboio na estação do Rossio. É uma serra com vários palácios e castelos: Palácio Nacional de Sintra, Palácio da Pena, Castelo dos Mouros, Palácio Montserrate, Palácio da Regaleira e Palácio Real de Queluz. Alugar um carro é uma boa. Mas se não der, tem um ônibus (autocarro) que para nos castelos, funciona bem.

Cabo da Roca

Como chegar: Carro. É o ponto mais ocidental da Europa. A boa é alugar um carro por um dia, ir pra Sintra, visitar todos os castelos e voltar pelo Cabo da Roca, parar ali no fim do dia, tirar umas fotos do pôr do sol e voltar.

Costa da Caparica

Como chegar: Autocarro na Praça de Espanha (153). Do lado de lá da ponte 25 de Abril. A região toda é bem praiana. Sempre tem pessoas caminhando na orla, um monte de gente pegando onda.

Évora

Como chegar: Carro. É uma cidade pequena e muito antiga cercada por uma muralha, fica na Região do Alentejo (que significa, literalmente, além do Tejo). O centro histórico é patrimônio da UNESCO. As principais atrações de lá são o Templo de Diana, que é um templo romano (construído no Século I dC – isso sim é antigo…) o e a Capela dos Ossos, que é construída com ossos humanos (inteirinha de ossos!) e na entrada traz a simpática frase “Nos ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”.

Setúbal e Serra da Arrábida
Como chegar: Carro. Até da pra ir de ônibus, mas não faz sentido… A graça é passear pela cidade, rodar as praias, e sem carro fica mais complicado. A Arrábida é muito bonita, vale o esforço.

Outras atrações em Lisboa
Vai ficar bastante tempo? Fiz uma lista de outros lugares legais para conhecer, de interesses diferentes, menos senso comum.
  • Museu do Coche (cheio de carruagens, charretes)
  • Museu da Arte Antiga
  • Museu do Design e da Arte Decorativa
  • Museu do Oriente
  • Jardim da Estrela
  • Museu do Azulejo
  • Museu do Traje
  • Praça de Touros (onde aconteciam as touradas)
  • Docas (melhor a noite, tem vários bares legais)
  • Zoo de Lisboa 
  • Teatro Tívoli
  • Teatro D Maria II
  • Estádio da Luz (do Benfica)
  • Escola Equestre de Queluz
  • Freeport Outlet (um dos maiores outlets da Europa, fica no Alcochete, e os ônibus para lá saem da Gare do Oriente. Tem grandes marcas e bons preços, mas obrigatoriamente vai levar o dia todo lá, até porque é longe. Se estiver com tempo e dinheiro sobrando, vale a ida. Se estiver com o tempo aperto: vá passear.)

HELP COM O VOCABULÁRIO

Os portugueses entendem o português do Brasil, porque consomem nossas novelas e músicas, mas acredite, você vai precisar se esforçar no começo pra entender o deles, além do sotaque dificultar bastante, o vocabulário também muda, anotaí:
NO TRANSPORTE
Eléctrico: Bonde (aquele bonde tradicional, de um bairro pra outro)
Comboio: Trem (trem mesmo, de percursos mais longos, cidades vizinhas, Espanha…)
Autocarro: Ônibus (em cada “paraga de autocarro” – ponto de ônibus – tem a rota das linhas)
Metro: Metrô (isso, eles falam mé.tro)
Carris: é a empresa que opera os autocarros e eléctricos
Morada: Endereço
NO RESTAURANTE
Imperial: Chopp
Casa de banho: Banheiro (by the way, privada é ‘sanita’)
Pataniscas: é uma variação do que a gente chama de bolinho de bacalhau
Sumo: Suco


ONDE FICAR?

Em breve faremos um post sobre hospedagem, albergues, hotéis, alugar apartamento, couchsurfing…
Para alugar: At home in Lisbon  (Fechei tudo sobre o aluguel do apartamento ainda no Brasil, por email, super tranquilo, e tem várias boas opções de aptos)
Albergue: Rossio Hostel (Os funcionários são atenciosos, tudo limpo, bonito, bem localizado, e tem desde quarto pra casal até quartos mistos com várias camas)
Hotel: Sana Lisboa e Lisbon Marriot (Estive com meus pais nesses dois hotéis, o serviço é excelente nos dois, mas acho caro e um pouco afastado)

OUTRAS INFORMAÇÕES

Visto: Brasileiro não precisa pedir visto pra União Europeia com antecedência. Assim que passar pela imigração, você vai receber um Visto de Turista, com direito a ficar até 3 meses na Europa.
Câmbio: Euro é caro. Não tem dica que resolva. Recomendo o bom amigo VisaTravel Money (cartão pré-pago) que é mais seguro do que andar com muitos euros, e vai ser mais amigável que o seu cartão de crédito internacional com o IOF.
Alugar carro: InterRent (a gente alugava um Seat Ibiza por 7 euros por dia, pra pegar na Santa Apolónia, perto do Cais do Sodré, vale MUITO a pena)
Permissão pra dirigir: Brasileiros podem dirigir em Portugal com a CNH brasileira. Para alugar o carro, precisa ser maior de 21 anos. Menores de 21, habilitados, podem dirigir, mas o aluguel precisa estar em nome de alguém habilitado 21+.

2 comentários sobre “Lisboa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s