Couchsurfing: tudo o que você precisa saber

Quando eu conto, para quem quer que seja, sobre as minhas viagens, a parte que mais impressiona é quando eu comento que fiz couchsurfing. É uma mistura de reações: alguns me admiram pela coragem, outros acham a coisa mais absurda e perigosa do mundo, e alguns, muitos até, me enchem de perguntas no intuito de tentarem entender melhor o que eu chamo de “excelente troca de experiências em casas desconhecidas”. 

A primeira coisa que vou logo explicando é que o couchsurfing (CS) não é só o fato de me hospedar gratuitamente na casa de alguém. É muito mais que isso, e acho que o próprio site define esse “projeto” muito bem:

“Couchsurfing é a participação na criação de um mundo melhor, um sofá de cada vez. Procuramos ligar pessoas e lugares internacionalmente, criar trocas educacionais, fomentar consciência coletiva, espalhar a tolerância e o entendimento cultural. Como uma comunidade almejamos fazer a nossa parte individual e coletiva para criar um mundo melhor e acreditamos que o surf de sofás é um meio para atingir esse objetivo. O CouchSurfing não é mobília, não é encontrar alojamento gratuito por todo o mundo; é estabelecer ligações por todo o mundo. Fazemos o mundo um lugar melhor abrindo as nossas portas, os nossos corações e as nossas vidas. Abrimos as nossas mentes e damos as boas vindas à sabedoria que a troca cultural oferece. Criamos ligações profundas e significativas que cruzam oceanos, continentes e culturas. O CouchSurfing quer mudar não só a maneira como viajamos mas também a maneira como nos relacionamos com o mundo!”

E, acreditem, é exatamente isso! 



O COMEÇO
Bom, antes de continuar, preciso explicar como funciona esse tal de “surfar no sofá’: A inscrição é gratuita e pode ser obtida simplesmente registrando-se no site. Comece criando seu perfil, bem estilo facebook mesmo. Faça a coisa toda muito bem feita, o mais detalhado que você puder. Um usuário que gasta seu tempo tendo o cuidado de deixar o seu perfil o mais completo possível já é visto com bons olhos. Dá trabalho, eu sei, mais são essas informações que ajudam a criar mecanismos para o site ficar o mais seguro possível. 


DICAS
  1. Perfil: Conecte o seu perfil do couchsurfing com o do facebook, assim você poderá adicionar amigos, o que é importantíssimo para provar para os seus futuros “hosts” que você é alguém sociável e “normal”. Parte importante do couchsurfing: referências. Elas são tipo um testemunho, onde você fala como conheceu a pessoa, como ela é, essas coisas… Dificilmente um host vai aceitar seu pedido se você não tiver nenhuma referência.
  2. Fotos: É legal colocar fotos das suas viagens, uma pessoa viajada tem menos chances de ser um maluco assassino, né? 
  3. Programação: É muito comum a gente programar as nossas viagens com antecedência. Porém, no couchsurfing isso não funciona e, raramente, alguém vai te mandar uma resposta positiva com mais de uma mês de antecedência. Por isso, principalmente em cidades menores, é sempre útil ter uma plano B para o caso de não conseguir nenhum host.

DÚVIDAS
Dúvida de sempre: Como escolher um bom host e mandar um bom pedido?
  1. O principal atrativo do Couchsurfing não é se hospedar de graça, até porque a gratuidade traz com ela uma série de desvantagens: se submeter às regras pessoais do dono da casa, alguma falta de privacidade e de liberdade de viagem – dependendo do tipo de couch e de host, etc. A idéia principal é ter uma pessoa local da cidade te mostrando o que você deve ver e visitar, onde comer, o que falar, onder ir. Pode ser até que o que te atraia a princípio seja a hospedagem gratuita, mas garanto: se hospedar via CS demanda uma energia que, se você não está disposto a empregar, vai preferir pagar um hostel/hotel.
  2. É preciso estar disposto a trocar experiências com o seu host, deixar sua marca ali e fazer ele sentir que valeu a pena te hospedar. E é por isso que a ideia é que você só mande pedidos pras pessoas que considerar realmente interessantes, pessoas com quem você acha que poderia se dar bem. Em resumo, mande para uma pessoa que você gostaria de ser amigo e passar uns dias dividindo o mesmo teto.
  3. Feito isso, escreva a essa pessoa uma mensagem dizendo exatamente isso e o porque. Faça isso com duas semanas de antecedência, – é o ideal – não muito antes, nem muito depois. E aguarde.

SEGURANÇA
Mas e a segurança? É seguro? Existem alguns métodos para garantir a segurança e a confiança e esses estão sempre visíveis nos perfis dos membros para que potenciais anfitriões ou “surfers”  possam sempre verificar:
  1. Referências pessoais, que anfitriões ou surfers (convidados) podem deixar um ao outro após terem usado o serviço.
  2. Um sistema opcional de verificação por cartão de crédito, que permite aos membros “trancar” o nome e morada fazendo um pagamento com cartão de crédito e introduzindo um código que o couchsurfing envia à morada de pagamento (isto permite também que o CS recupere alguns custos por requerer um pequeno donativo para a verificação).
  3. Um sistema pessoal de certificações, onde um membro que foi certificado pelo site como confiável possa certificar outros membros que ele/ela tenha conhecido e em quem confie.
  4. Converse muito com o seu host/surfer. Quanto mais mensagens vocês trocarem mais você conhecerá a pessoa, seus gostos, manias. E isso ajuda não só a ser mais seguro como torna o tempo de hospedagem muito mais natural.


E PARA RECEBER EM CASA?
Ok, você decidiu que quer receber pessoas na sua casa além de se hospedar. Já escolheu a pessoa que vai receber, conversou bastante com ela e tudo mais? Hora de acertar os detalhes: passe para ela o seu endereço, a forma mais fácil de chegar na sua casa (qual ônibus tem que pegar, táxi, a pé) e o horário em que você vai estar em casa pra recebê-la.

  1. É importante deixar as suas “regras” claras: o que você não gosta que façam na sua casa, fumante ou não, deixar louça suja na pia, banheiro bagunçado, barulho de madrugada…
  2. É sempre legal você emprestar lençol e toalha para o seu couchsurfer. Claro que ele pode levar, mas normalmente quando você viaja procura levar o menor peso possível, ainda mais para os mochileiros. Se possível, deixe uma cópia da chave com o seu hóspede, para ele ter liberdade de entrar e sair quando precisar.
  3. Uma coisa que sempre ajuda é dar um mapa turístico da cidade, com as informações sobre os principais pontos turísticos, e também uma tabela com os horários de ônibus que passam na sua casa.
  4. E, claro, sempre que possível leve o seu novo amigo para passear. Se puder vá até os pontos turísticos com ele ou, melhor ainda, leve ele naquele lugar que só quem mora na cidade conhece, ele vai adorar! 


MINHAS EXPERIÊNCIAS
Bom, eu já me hospedei através do couchsurfing em Madrid, Amsterdam, Praga, Londres, Liubliana, Zabreb, Bruxelas, Budapeste, Munique e Berlim e todas foram fantásticas. Conheci pessoas incríveis, fiz grandes amigos e vivi experiências que jamais eu viveria se estivesse em um hostel, por exemplo. Com certeza o fato de você estar hospedado na casa de alguém que conhece a cidade tão bem faz com que você veja tudo com outros olhos. As dicas são sempre as melhores e você passa grande parte do seu tempo tendo hábitos locais (o que para mim é muito legal quando se está em uma cidade nova).


E aí, tá esperando o que pra começar a surfar pelos sofás do mundo? ;)

4 comentários sobre “Couchsurfing: tudo o que você precisa saber

  1. Que bom que gostou Laninha!
    Agora quero ver você aproveitando muito os milhares de sofás disponíveis pelo mundo ;)
    Com certeza suas experiências serão tão boas quanto as minhas!
    Beijos

  2. Oi Jéssica!

    Normal isso, ainda mais para nós, brasileiros, a gente tem sempre um pé atras na hora de confiar nas pessoas né? hahaha!
    Mas até agora todas as minhas experiências foram super válidas!

    Bom, isso do cartão de crédito é o seguinte: A pessoa, afim de se tornar um membro verificado, faz um depósito para o site do CS, na maioria das vezes um valor sibólico (1 dollar, por exemplo) e através desse depósito o site consegue fazer a confirmação que “fulano” realmente mora no endereço que ele diz morar.
    Ou seja, quando aparecer na página da pessoa que ela é um “membro verificado” você sabe que realmente aquela pessoa mora naquele endereço. Isso ajuda muito. Eu sempre procuro por membros verificados!

    Nunca fiz CS sozinha porque estava sempre acompanhada durante as minhas viagens. Mas, hoje em dia, eu faria sozinha numa boa! Vale a dica de conversar bem antes com as pessoas.. isso te ajuda a criar uma intimidade super válida na hora em que você for se hospedar ;)

    Espero ter ajudado!
    E boas surfadas de sofá :D

    Beijos ;*

  3. Sensacional! Eu entrei no CS há uns meses, troquei ideia com algumas pessoas de cidades para onde viajarei, mas fiquei com esse pé atrás, né?

    Não entendi o que você quis dizer aqui:
    “Um sistema opcional de verificação por cartão de crédito, que permite aos membros “trancar” o nome e morada fazendo um pagamento com cartão de crédito e introduzindo um código que o couchsurfing envia à morada de pagamento (isto permite também que o CS recupere alguns custos por requerer um pequeno donativo para a verificação).”

    Me diz uma coisa, você já se hospedou sozinha, ou ia com algum(a) amigo(a)?

    bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s